quarta-feira, 12 de abril de 2017

Férias - Ponto Situação: Agora sim

Estamos a meio da viagem, mais coisa menos coisa.
Depois de termos passado pelo Cambodja andamos agora pela Tailândia.
Cambodja vale pelos templos de Angkor. Ponto.
Siem Reap, onde fui super bem tratado e vim com coração cheio, desapontou-me.
Os meus amigos diziam que era uma pequena cidade muito catita.
Catita é. Pequena também. Mas muito miserável. Só lixo por todo o lado. 
É uma pequena cidade, do tamanho de uma Cascais que recebe anualmente 2 milhões de turistas, logo é impossível manter a essência. Preços de 5 a 7 dólares por refeição numa mui anglosaxonica Pub Street não é o Cambodja que eu esperava. Tivemos que nos aventurar mais e descobrir melhor. Foi o que fizemos. Mas os preços, esses continuavam sempre muito altos. 
Ele, até agora, diz que é o sítio favorito dele. 
Eu ainda não sei.
Chiang Mai na Tailândia tem um sinônimo: compras.
É a loucura. Produtos giros, artesanais, com muita pinta. Preços ridículos. Vamos mandar forrar um cadeirão por 9€ (7m de tecido).
A cidade, é mais uma vez, uma cidade tipicamente asiática - na tipologia caótica de edifícios, com uma grande história passada, mas que pouco resta - ou nada - para além dos templos. 
Os Elefantes. Esses queridos. Não era minha intenção ir ve-los. Não queria ser mais um a participar na domesticação abusiva destes. Tal como os tigres, são dopados o dia todo, para estarem calmos para os queridos turistas puderem interagir com eles.
Este campo que fui é diferente. Espero eu...
É um campo de salvamento dos tais Elefantes. São comprados a esses campis e deslocados para estes campos e são bem tratados e têm uma vida calma; as únicas interacções com a turistada são o dar banho ao elefante e dar comida. Durante duas a três horas. 
Mas o mais surrealista de tudo foi o Rafting em Canoas de Bambu.
Imaginam-se no Rio Trancão há 30 anos atrás, no apogeu do merdum, com milhares de adolescentes tailandeses, bebados, em canoas de bambu, a 2km/hora pois eram tantas tantas tantas tantas canoas que passávamos o tempo parados, latas e latas de cerveja; merda e animais mortos, algumas canoas com mega colunas a passe coisas parecidas a DJ Tiesto, travecas sempre elegantes a dar ordens nos putos para as canoas dele passarem por cima das outras. Isto aconteceu porque os tailandeses comemoram agora o Songkran - passagem de ano - e como é natural aproveitam para saírem das cidades e aproveitar uns dias de férias.  
E pelos vistos adoram apanhar bebedeiras em rios cheios de merda.
That's all folks.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Mudanças

A avaria da máquina de lavar roupa tem-se revelado o motor para uma pequena revolução cá em casa. Como a cozinha é antiga, e o espaço para...