quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

À procura de perdão

O senhor surdo-mudo, que tinha o carro parado em segunda fila, dirigiu-se para o carro com a mulher. Ora caminhando ora parando, ambos discutiam, esbracejando muito os braços e mãos.
Após entrarem dentro do carro, continuaram a discutir.
O que não impacientou muito o automobilista, que queria tirar o carro, e não conseguia porque o senhor surdo-mudo estava entretido numa acessa discussão.
O que me chamou atenção nesta simples história quotidiana, foi a pouca exaltação do senhor do carro bloqueado pelo surdo-mudo. Noutras circuntâncias já estaria a buzinar, vociferar contra aquele mal-educado que lhe bloqueava a saída.
E porque é que ele não se exaltou?
Porque era uma pessoa que tinha saído de uma aula de três horas de meditação?
Não acredito.
Não se exaltou porque o bloqueador de carros alheios era surdo-mudo.
Ou seja "um coitado". Simples.
E isto trás alguma condescendência, que eu, também teria.
Mas porquê? Como cidadão, ele não estava a ser nada exemplar. Ponto final.
Mas a deficiência trará a ele vantagens quotidianas?
Ou somos nós, que como sociedade, não somos o melhor do mundo para esta gente, e nestes pequenos momentos, somos mais permissivos e pensamos que assim temos algum perdão divino por ignorarmos tantas e tantas vezes estas outras pessoas com deficiência, uns coitados?





4 comentários:

  1. ou simplesmente não reclamou porque não sabia a linguagem gestual para "Oh seu filho da pu%$, tira a me&%# do carro do caminho"

    ResponderEliminar
  2. Anfitrião o senhor não deveria ter pressa, daí que provavelmente não seja um drama a situação para partir logo para as ofensas estilísticas. Mas, sim poderá existir alguma verdade no que indicas. Vi inúmeras situações, durante a faculdade, onde atitudes negativas eram ignoradas à conta de deficiências físicas. Comigo tal nunca aconteceu chegando a repreender algumas vezes um colega deficiente motor pelo tratamento "deficiente" com os outros. Julgo que era das poucas pessoas que o tratava de igual para igual no bom e no mau sentido o que algumas vezes não abonava a meu favor por parte de quem nos rodeava. Mas se é para tratar de forma igualitária eu penso que terá de ser em tudo ... sem condescendências.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Antes de ele se aperceber quem era o dono do carro, estava cheio de pressa. Mas assim que viu o surdo-mudo amochou.
      Foi muito curioso de observar.

      Eliminar

Éden

Fiquei sem fôlego ao ver esta curta tão delicada. Não só pela beleza do filme, mas porque há muitos muitos anos atrás, numa madrugada d...