quinta-feira, 9 de julho de 2015

Heike

A Heike surgiu na minha vida como um furacão.
Tem uma namorada, a Stefanie.
Vivem as duas em Nuremberga, têm um café adorável.
A Heike veio sozinha a Lisboa, por meia dúzia de dias. O objectivo dela era ir um mês para Odemira, fazer voluntariado numa quinta de criação de burros, de uns Alemães.
Quando a conheci foi amor à primeira vista. Estivemos juntos todos os dias. Ora para enviar flores para a outra - com quem não vou muito à bola, ora para cafezarmos, ora para enviar a tralha dela para Nuremberga, porque ela já tinha comprado muitas coisas em Lisboa.
Nunca tinha vindo a Portugal. Aliás, como muitos me dizem, chegam ali a Espanha e não há nada que os impele a continuar em direcção ao Atlântico. E quando cá chegam, arrependem-se de nunca ter continuado até ao Atlântico. E arrependem-se muito por comparação com Espanha.
Pois a Heike rumou ao Alentejo.
Ao final dos primeiros dias começo a notar nas mensagens dela, algum desconforto.
Começo a notar rapidez nas mensagens. Começo a notar evasão. E ausência.
Até que, semana e meia após, me liga em aflição e conta:
" Estou a fugir da quinta de burros, estava a ser explorada por Alemães -ainda acrescentou que só com Alemães isto aconteceria - eu era uma escrava, mal podia comer, dormia no palheiro, que não podia parar de trabalhar para descansar, controlavam-me o telemóvel...."
Quando ela chega a minha casa e me conta ao vivo a história toda, sinto que continua a encobrir. A relativizar. A minorar. A brincar.
É a postura dela na vida. E foi isso que gostei dela.
Falamos como facilmente somos dominados psicologicamente pelos outros se somos fracos e nos deixamos ir. Como muitas vezes nem damos conta que estamos a ser dominados. Ou como muitas vezes gostamos de ser dominados por conforto, interesse, questões culturais, religiosas, ou bases educacionais ou de má formação de carácter.
E ela sorria sempre.
Voltou para o Alentejo, antes foi para uma escola de surf de raparigas na Ericeira ( a Heike tem 60 anos), e apaixonou-se por Portugal e pela Costa Vicentina.
Tanto que para a semana chega, pela segunda vez em Portugal, para comprar uma casa. Em Odemira. Onde tudo aconteceu.
Isto é que é espírito.

4 comentários:

  1. Há pessoas incríveis e esta é, claramente, uma delas. Mas ser explorada? Isso é desumano!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Explorada sim. Uma mulher independente com 60 anos, vê-se de repente no meio do nada, sozinha, com um casal de Alemães a forçarem-na a trabalhar. Uma coisa é voluntariado, outra é trabalha senão não comes....

      Eliminar
  2. Parece mesmo ser uma pessoa incrível. Qto a Portugal, eu sou testemunha disto ... uma terra maravilhosa e só não conhece quem tem preconceito ... Não dá para comparar com a Espanha ... Sou muito mais Portugal ... me desculpem os espanhóis ...

    ResponderEliminar

Éden

Fiquei sem fôlego ao ver esta curta tão delicada. Não só pela beleza do filme, mas porque há muitos muitos anos atrás, numa madrugada d...